Editorial Agosto 3, 2020

Em direção à terceira edição: Ciudad de México

A terceira edição do Fórum Mundial sobre Cidades e Territórios de Paz tem como objetivo dar continuidade aos fóruns anteriores, proporcionando inovações importantes.

Um dos objetivos do Governo da Cidade do México, liderado pela Dra. Claudia Sheinbaum Pardo, é contribuir para que as pessoas que habitam e transitam na cidade desfrutem dos direitos fundamentais, tenham acesso à justiça e a uma vida digna e de paz. Nesse sentido, o espírito que guia e que se procura proporcionar através do encontro é o de transformar as cidades em lugares que sejam inclusivos, seguros, sustentáveis, plurais e prósperos.

Caminhando em direção a esta visão, dado o impacto da pandemia global, e combinando a reflexão com os membros do COI, foi proposto que a terceira edição tenha uma ronda de reflexões sobre o tema das Cidades e Territórios de Paz. É por isso que a narrativa dessa reunião se concentrará no trabalho positivo de construção da paz, sem deixar de lado a importância de nomear a violência e os processos de educação que geram estratégias de resiliência comunitária que contribuem para a criação de outros cenários possíveis: cidades e territórios de paz.

Para este 3º Fórum Mundial sobre Cidades e Territórios de Paz, é importante retomar a concepção positiva deste conceito que a Associação Espanhola de Pesquisa para a Paz (AIPAZ) propõe a partir de sua perspectiva global e multidisciplinar:

“a concepção positiva de paz, entendida não apenas como a ausência de conflitos bélicos, mas também como uma presença de justiça social, desenvolvimento sustentável, exercício democrático da cidadania, o cumprimento dos direitos humanos dentro e entre estados, e, portanto, oposto a qualquer tipo de violência”. (AIPAZ, 2020).

A realização deste Fórum na Ciudad de México está, portanto, de acordo com as prioridades do Programa de Governo Municipal 2019-2024 e representa uma oportunidade tanto como para estruturar o diálogo e a cooperação entre os atores públicos, sociais e privados na construção de uma cultura de coexistência e paz, como para fortalecer a política pública de direitos humanos.

Ao mesmo tempo, a celebração na Ciudad de México permitirá que o Fórum seja projetado para a realidade dos países latino-americanos, onde as brechas entre riqueza e pobreza coexistem com tensões sociais e violência pessoal, estruturaisl e culturais de vários tipos.

Esta terceira edição também terá como objetivo consolidar o roteiro do processo vivo que vai além dos eventos mundiais, promovendo iniciativas de:

  • Troca de experiências;
  • Fóruns temáticos e regionais;
  • Campanhas de incidência política e promoção de valores;
  • Iniciativas de gestão do conhecimento: treinamento, pesquisa, divulgação;
  • Instrumentos de participação e comunicação.