As atuais metrópoles são formadas por múltiplas comunidades culturais que pedem para manter as suas próprias expressões e, ao mesmo tempo contribuir, juntamente com as outras, para um futuro comum. As cidades são, e serão cada vez mais, fragmentos de identidades, de várias línguas, diferentes tradições ou práticas religiosas.

Podemos observar que uma pessoa agride a outra por pertencer a um determinado grupo social, por ser de outra nacionalidade, por sua etnia, por ser pobre, sem abrigos, pela sua orientação sexual ou identidade de gênero, pela filiação política ou por ter uma deficiência. Os discursos da intolerância estão enraizados e fundamentados em valores vigentes na sociedade como um todo e servem para tornar invisíveis as verdadeiras causas da violência que só podem ser percebidas através da análise das suas consequências concretas, como a pobreza extrema, violência de gênero, segregação espacial ou sem abrigos. Tudo isso provoca a aparência de intolerância e discurso de ódio.

As cidades e territórios de paz devem promover a tolerância e o respeito pela diversidade, bem como promover a convivência e o diálogo através da promoção de políticas de cuidado visando a diminuição da quot;vulnerabilidade construída” e garantia do respeito aos Direitos Humanos.